Visibilidade Trans

isibilidade trans

Dia 29 de Janeiro é o dia da Visibilidade Trans no Brasil. O objetivo da data é dar visibilidade à comunidade trans.

Além disso, ela promove a conscientização sobre a diversidade de gênero e buscar adesão na luta contra atransfobia.

Contudo, a luta por respeito e igualdade não é apenas nesta data. É sabido que esta população enfrenta desafios cotidianos para ter seus direitos garantidos.

De acordo com a Organização das Nações Unidas, em todas as partes do mundo, pessoas transgênero apresentam maior risco de sofrer violência, assédio e discriminação.

Violações de direitos humanos vão de bullying e abuso verbal à negação de assistência à saúde, educação, trabalho e moradia, à criminalização, prisão e detenção arbitrária e à violência, lesão corporal, tortura, estupro e assassinato. 

Tal situação se expressa, por exemplo, na expectativa de vida da população trans no Brasil.

Segundo o IBGE (dados de 2019), no Brasil, a expectativa de vida das pessoas trans é de 35 anos, muito abaixo da média da população brasileira, de 76 anos.

Por isso, é fundamental o apoio à visibilidade trans. Celebrar a visibilidade trans vai muito além da comemoração de um dia ao longo do ano.

Visibilidade significa escutar e dar voz a esta população tantas vezes marginalizada e discriminada. Significa também reconhecê-la não apenas em atividades pontuais, mas em ações efetivas que garantam seus direitos. Visibilizar é necessário para compreender sua especificidade e, a partir da noção de equidade, elaborar políticas públicas que contemple a comunidade trans.

Esta que é uma luta por igualdade de direitos, por uma sociedade igualitária e livre de discriminação. Uma luta por uma sociedade que cuide e garanta qualidade de vida para toda sua população.

Apoie a Visibilidade Trans

Você pode estar se perguntando como você pode agir para apoiar esta causa.

A Organização das Nações Unidas indica três pontos principais:

1 – Eduque-se a respeito das experiências das pessoas trans, suas questões e pautas.

2 – Utilize sempre os termos, pronomes, gêneros e nomes que as próprias pessoas prefiram.

3. Não se cale se você presenciar ou tiver conhecimento de qualquer forma de estigma, discriminação ou violência contra pessoas trans.


Lara perfilOlá! A psicoterapia é um processo colaborativo, em que juntos, terapeuta e consultante trabalham no desenvolvimento de estratégias mais saudáveis para lidar com as situações. A principal ferramenta é a fala e o próprio encontro, presencial ou online, que oferece um ambiente de acolhimento, escuta e reflexão.

Seja bem-vindo(a) e sinta-se acolhido(a)!


 

error: Content is protected !!
×Olá!